quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Enquanto der... insisto, não desisto.

beija-flor



Em certos momentos

Não gosto de remar contra a maré ! 

Mas... remo!

Do barco em movimento?

Não desço!

Insisto!  


Não desisto!

PERSISTO!


Insisto nessa ilusão


De viver    


Onde sou conduzida 


Como gado


Numa sociedade que dita as normas 


E... eu no meio da boiada 


No asfalto da cidade.             



quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Artes


CLIKE EM CIMA DA PALETA, PARA IR AO ÁLBUM PICASA E VER A APRESENTAÇÃO DE SLIDES DAS OBRAS DE ARTE DA ARTISTA PLÁSTICA  NAIF, DALVA SAUDO

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

SINFONIA DOS PRONOMES / Dalva Saudo

SINFONIA DOS PRONOMES
Dalva Saudo

As vezes estou eu,
Outras com eles, elas ou... ele!
Ficamos nós. O tempo passa.
Canso-me!

Quero retornar a ser só,
Como uma estrela solitária sem galáxia.
Aprendi a ser só. Canso-me de...Nós!
Enfim... outros se cansam de mim.

É círculo, roda, místico, realístico.
Canso-me dos Nós... outros se cansam de mim.
E a roda... vai girando, circulando, cansando,
Alegrando, alternando, dando canseira...
C A S A Ç O ! ! !
Até me afasto!

Mas... ao rever as amizades, a felicidade me invade!!!

Elas!   Nós!   Vós! Eles! Ele e Eu!

Encontros, desencontros, reencontros.
Até voltar a ser só.
Querer ser só,
Para me inspirar, pintar, poetizar...
E com DEUS sintonizar.
Para fazer minhas coisas, deixar você fazer as suas.

É a sinfonia em forma de poesia 
dos nomes sem nomes.

OS PRONOMES.

Por fim, quero fugir de nós. Não posso fugir de mim.
Não posso ser você ou ele.

Isolo-me na cela que me trancafia.
Sendo eu... sou só comigo, telas e poesias.
Ah... até qualquer outro dia!

sábado, 18 de dezembro de 2010

VALE A PENA LER DE NOVO! ÔNIBUS 212 / Dalva Saudo

Foto da Publicação da Empresa Municipal de desenvolvimento de Campinas-EMDEC Ano2 N.17 05/12 a 31/12

ÔNIBUS 212
Dalva Saudo

Seus olhos naquela manhã
Estavam tão nublados quanto o céu
Marejados de lágrimas amargas como fel.

Com dificuldades enxergavam
O gotejar da chuva mansa
Numa mágoa contínua, incontida
Embaçando vidros do coletivo veículo.

A paisagem lá fora se escondera
Chuva e lágrimas não paravam de cair.
Rolavam pela face, pelos vidros...

Ambas suavizavam limítrofes sofrimentos
Atenuando, diluindo ressentimentos.

Brotavam sufocadas
Cada qual extravasando sua dor
Na esperança do amanhã de terra e alma lavadas
De pássaros em revoadas!

Esperança do renascer de novas vidas, sem mágoas
No explodir e romper de bolsas d'aguas
Que admirariam novas paisagens
Em close...
Que nasceriam coloridas em novas viagens do ônibus 212.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Momentos de Alegria Slideshow

Momentos de Alegria Slideshow: "TripAdvisor™ TripWow ★ Momentos de Alegria Slideshow ★ to Campinas by Amigas. Stunning free travel slideshows on TripAdvisor"

Cinema - Documentário JOSÉ E PILAR / Gênio e simplicidade são compatíveis

Foto: eee.opperaa.com
FUI, ASSISTI, GOSTEI E LEMBREI-ME DOS MEUS COLEGAS ESCRITORES E POETAS

Aclamado documentário que narra a relação entre José Saramago Prêmio Nobel de  Literatura em 1998 com sua esposa a jornalista Pilar Del Rio
. Um retrato surpreendente de um autor durante o seu processo de criação e da relação de um casal empenhado em mudar o mundo - ou, pelo menos, torná-lo melhor. "JOSÉ & PILAR" revela um Saramago desconhecido e prova que gênio e simplicidade são compatíveis.
vejasp.abril.com.br/cinema/josé-pilar
Topázio cinemas 32763610
Para enriquecer o resumo acima, recebi por e-mail do amigo poema J. R. Teixeira:
           Bom dia Dalva -o  premio nobel de literatura de 1998 -   o escritor JOSÉ DE SOUSA  SARAMAGO , mais alguns detalhes sobre o escritor, nascido em Portugal em 16 de novembro de 1922 escritor e critico religioso sua obra mais famosa O EVANGELHO SEGINDO JESUS CRISTO - que lhe garantiu o premio nobel de literatura, SARAMAGO, também ganhou  CAMÕES o mais famoso premio de literatura da língua portuguesa,  sofreu enorme preconceito por parte dos religiosos portugueses, em decorrência de sua critica explicita no livro que lhe outorgou a maior de todas as honrarias da literatura, o premio NOBEL, SARAMAGO faleceu em 18 de junho de 2010 na ESPANHA , alem de escritor SARAMAGO foi contista dramaturgo jornalista e poeta.

        Meus parabéns por colocar no blog fatos de tamanha relevância para todos nós que militamos na arte da escrita  sobre o papel.


ATT:

J R Teixeira



Saudo as Artes, agradece ao Poeta colaborador.

sábado, 11 de dezembro de 2010

JOSÉ ROBERTO TEIXEIRA, POETA QUE TRABALHA (voluntário) COMO DIRETOR DO CENTRO DE POESIA E ARTE DE CAMPINAS E NA CASA DO POETA


Sou colega do J. R. Teixeira na diretoria do CPAC .
Grande amigo além de colega! Sabe elogiar nas horas certas e ajudar quando necessário em minhas falhas.
Amigo é assim! Como ele!
Admiro-o muito! Por isso, escolhi essa montagem. Também quero sentar-me a esse banco para reverenciá-lo.
Aguardem minhas homenagens a meu próximo amigo!

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

O ANIVERSARIANTE / Jandyra Marchi

25 DE DEZEMBRO
FESTIVAL SENTIMENTAL


FESTAS

FAMÍLIARES,

PRESENTES

LAÇOS

 ABRAÇOS

FELICIDADES

ENTRELAÇOS

AMAR! PERDOAR!

SAIR PELA CIDADE,

ÁRVORE DE NATAL ...

O MOTIVO PRINCIPAL

DESTE FESTIVAL SENTIMENTAL

EMOCIONANTE...

É O ETERNO... SEMPRE REVISTO

NO LIVRO MAIS LIDO

O ANIVERSARIANTE

JESUS CRISTO!
 Nos Evangelhos de Mateus e de Lucas que se tem melhores informações a respeito da infância de Jesus. Enquanto Mateus foi um dos doze apóstolos, Lucas teria empreendido uma pesquisa dos fatos que na sua época já eram relatados de modo que o seu Evangelho é o que mais contém informações a respeito da vida de Jesus na Terra, antes mesmo do seu nascimento (Pesquisa da Internet

domingo, 5 de dezembro de 2010

Domingo de Poemas e Chorinho no SESC - Entre para a platéia do Blog da Prosa!: www.ciaprosadosventos.blogspot.com

NATAL
Vinícius de Moraes

De repente o sol raiou

E o galo cocoricou:

_Cristo nasceu!

O boi, no campo perdido

Gritou um longo mugido:

_ Aonde? Aonde?

Com seu balido tremido

Ligeiro diz o cordeiro:

_ Rm Belém ! Em Belém!

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Retorno do Poeta.

 
Ficamos felizes com o retorno de Agmon Carlos Rosa para os saraus literários!
Na foto Agmon e Vanda em cenário romântico.

Poemas do imortal Mario Quintana, músicos e muito samba no SESC Campinas!

Imagem do site: vivopelavida.com.br
Mario Quintana

Se me amas, ama-me baixinho

Não o grite em cima dos telhados

Deixa em paz os passarinhos

Deixe em paz a mim!

Se me queres, enfim,

Tem que ser devagarinho

                             +++++++++++++++++++++++++++++++  
                                  
Não te irrites, por mais que te fizerem...

Estuda a frio, o coração alheio.

Farás assim do mal que eles te querem

Teu mais amável e sutil recreio.

O SESC Campinas estava em festa domingo Dia 28 de novembro de 2010 com sambas da melhor qualidade e Poemas de Mário Quintana.Artistas do http://www.ciaprosadosventod.blogspot.com

Olhem só, que maravilhosos artistas nos deleitando com seus talentos! Músicas e Poemas do Poeta Mário Quintana. Querem conhecê-los melhor? Acessem o endereço do blog abaixo:


Já pensou... que lindo! Poema de Mario Quintana ao som de música?

terça-feira, 30 de novembro de 2010

ARTE FOTOGRÁFICA /Dalva Saudo

FOTO: DALVA SAUDO

Dissolvo-me na Luz que irradia
Transcendo meu corpo
Sou sol.
Pragmento do Poema ( Solidão da Alma ) de Emília Queiroga Barros/Pag 46 do Livro PRESENÇA. Ed. Cultrix

domingo, 28 de novembro de 2010

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

MISTICISMO / FERNANDO PESSOA

Abomino com náusea e pasmo 


os sinceros de todas as sinceridades 


e os místicos de todos os misticismos ou, 


antes e melhor, 


as sinceridades de todos os sinceros 


e os misticismos de todos os místicos. 


Essa náusea é quase física 


quando esses misticismos são activos, 


quando pretendem convencer a inteligência alheia, 


ou mover a vontade alheia, 


encontrar a verdade ou reformar o mundo.


Fonte: A quintessência do desassossego/ Pág.93

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Só Hoje > J R Teixeira

SÓ HOJE


Vi


Vivi


Apreciei


Admirei


Almejei


Acreditei


Busquei


Compreendi


Aceitei


Exaltei


Olhei


Gostei


Valorizei


Falei


Gritei


Chorei


Realizei


Voltei


Te amei


Aprendi


Que não pode ser


SÓ HOJE!


J R TEIXEIRA É  POETA ATUANTE NOS MEIOS LITERÁRIOS DE CAMPINAS. VEJA MAIS POEMAS DO AUTOR NOS  BLOGS: WWW.POEARTCAMP.BLOGSPOT.COM OU WWW.KOMEDI.COM.BR/ESCRITA

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Riachinho / Roseana Murray


As águas claras


me contam segredos


de sol, de céu, de ar


e cantam acalantos


de ninar


enquanto correm ligeiras


da montanha para o mar.

Se eu fosse Padre / Mário Quintana



Se eu fosse padre, eu, nos meus sermões,


não falaria em Deus nem no Pecado


---muito menos no Anjo Rebelado


e os encantos das suas seduções,


não citaria santos e profetas:


nada das suas  celestiais promessas


ou das suas terríveis maldições...


Se eu fosse um padre eu citaria os poetas,


Rezaria seus versos, os mais belos,


desses que desde a infância me  embalaram


e quem me dera que alguns fossem meus!


Porque a poesia purifica a alma


...e um belo poema---ainda que de Deus se aparte---


um belo poema sempre leva a Deus!

sábado, 23 de outubro de 2010

Dia da saudade > João Baptista Muniz Ribeiro (Sonetista) Presidente da Casa do Poeta de Campinas

Que farei neste dia tão tristonho,
Sozinho, sem ninguém, abandonado,
Sentindo a falta de um olhar risonho,
Que alegre e aqueça o coração gelado?


Que farei neste dia tão tristonho,
Se já não posso ter junto, ao meu lado,
Quem foi a minha vida e meu sonho,
E se perdeu nas brumas do passado?


Que farei neste dia de saudade,
Quando a tristeza esta minh'alma invade,
Numa emoção como jamais senti?


Só me resta apertar dentro do peito,
Meu coração, que se tornou defeito,
Pela saudade que me vem de ti...


Fonte: A voz da Inspiração IV  > Antologia da Casa do Poeta de Campinas pág 76

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Frieza da vida / SIDNEY NOFAL

Percebo 


a frieza da vida


O gosto sem gosto


por tudo que é posto.


À mesa sagrada


da ceia antiga...


O olhar desconfiado


da rua...


O medo presente 


de ser assaltado


Latido assustado


de um cão 


pela noite...


Que fareja o ar


uivando pr'a lua...


Uma cena emocionando


já não aparece


E o ser atual


até desconhece...


O que um dia


foi emoção...


São mulheres 


e homens vivendo


a máquina humana


mas...


sem coração.


Até o beijo


que hoje é sabor de desejo


do macho e da fêmea


Prazer mais efêmero.


Filho do chão > Sidney Nofal

Sou pobre vim da humildade


Ainda assim me sinto rico


Pois Deus me deu a felicidade


De nascer rico de espírito.


Vim da Terra feito planta


Que transforma vira pão


Sou a poeira sempre viva


Da matéria que é chão...


Por isso, muitos me pisam


E outros estendem a mão


Sou simples sem orgulho


Apenas filho do chão!

Quero Carlos Drummond de Andrade voz de Paulo Autran